O que é implante coclear? Como funciona? Descubra tudo aqui!

O implante coclear, chamado de IC ou ouvido biônico, é um dispositivo eletrônico, semi implantado na orelha, contendo:

  • Uma parte externa composta de um microfone, um microprocessador de fala e uma antena transmissora;
  • Uma parte interna, cirurgicamente implantada, composta de um receptor/decodificador e feixe de eletrodos, visando restaurar a perda auditiva em pacientes de surdez severa a profunda, quando os aparelhos auditivos convencionais não apresentaram resposta.

O implante coclear pode ser considerado umas das grandes descobertas da ciência dos últimos anos, tendo a sua história iniciada em 1800, pelo italiano Alessandro Volta.

Alessandro foi o inventor da pilha elétrica, que, posteriormente, foi desenvolvida por uma gama multidisciplinar de cientistas, médicos, engenheiros, terapeutas da fala, audiólogos, psicólogos, físicos e químicos.

As pilhas já beneficiaram cerca de 400.000 pessoas em todo o mundo, sendo que no Brasil já existem cerca de 7.000 implantados.

Como funciona o implante coclear? 

O implante coclear funciona da seguinte forma: após a instalação do conjunto de dispositivo eletrônico externo e interno na orelha, os sons captados pelo microfone são transmitidos ao microprocessador da fala, que seleciona e codifica os elementos da fala. Então, são enviados por cabo até a antena transmissora. 

Esses sinais da antena são captados pelo receptor interno e transformados em sinais elétricos, que são enviados para o feixe de eletrodos, colocados dentro da cóclea na cirurgia. Esses eletrodos estimulam o nervo auditivo, que levam os sinais para o cérebro, proporcionando as sensações auditivas.

Quem pode se beneficiar do implante?

O paciente que pode se beneficiar do implante coclear são as crianças e os adultos portadores de deficiência auditiva bilateral de grau severo a profundo, que, já tendo feito uso de prótese auditiva (AASI), não obtiveram resultado positivo.

É importante ressaltar que a determinação para um caso de surdez ser diagnosticada com a necessidade de fazer a cirurgia de implante coclear somente poderá ser estabelecida após a realização de exames por uma equipe médica especializada.

O Sistema Único de Saúde (SUS) estabelece critérios que variam em função da faixa etária, conforme consta das “Diretrizes Gerais para a atenção especializada às pessoas com deficiência auditiva no Sistema ùnico de Saúde (SUS)”.

Implante coclear em criança

O implante coclear em crianças entre 6 meses e 1 ano, realizado após avaliação criteriosa, leva a ter o desempenho auditivo e da fala tal qual as pessoas ouvintes.

O tempo é primordial no diagnóstico e tratamento da perda auditiva em crianças, evitando consequências no desenvolvimento da fala, aprendizado e relacionamento social.

Nas crianças, para se obter os melhores resultados com o implante coclear, é importante ser realizado até a faixa de 2 anos. 

Os resultados do IC para crianças entre 2 e 5 anos não são tão bons. Já a partir dos 5 anos, os resultados do IC vão depender alguns fatores, como grau de desenvolvimento da linguagem, uso de AASI para estimular a audição, leitura labial e conhecimento da linguagem de sinais.

Atualmente, existe o teste da orelhinha, obrigatório nas maternidades, que ajuda a detectar possíveis perdas auditivas nos bebês. Ocorrendo resultado não satisfatório, deve-se procurar a realização de outros exames. 

O teste da orelhinha visa fazer uma triagem auditiva nos bebês. Caso não apresente problema, não exime completamente a possibilidade da existência de perda auditiva. 

Os pais, familiares e profissionais que acompanham o desenvolvimento da criança devem estar atentos a qualquer sinal de alerta para possíveis a problemas auditivos, pois quanto mais se demora no diagnóstico e tratamento, menores serão os resultados do implante coclear.

Qual o preço do implante coclear? 

O preço do implante coclear é uma das maiores preocupações de um pessoa ou de pais com filhos diagnosticados com a perda auditiva de severa a profunda, em que o IC seria a solução.

O valor de um implante coclear é estimado em mais de 100 mil reais, considerando exames, cirurgia, compra dos equipamentos, mapeamento e sua implantação. 

Porém, existem dois caminhos para a obtenção do IC sem o desembolso do valor acima: um através do recebimento do implante coclear pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e outro através do plano de saúde, caso possua.

Para se obter o implante coclear do SUS, o paciente além de ter um pedido médico para um Centro de Implante, terá que seguir as várias etapas de consultas médicas com otorrinos, fonoaudiólogos, psicólogos e assistentes sociais, para se definir pelo implante. 

O implante coclear pelo plano de saúde pode ser mais rápido quando liberada a cirurgia. Diferente do SUS, a fila de espera é menor.

É válido lembrar que após a cirurgia o paciente terá gastos com acompanhamento e reposição de peças.

Como é feita a cirurgia de implante coclear?

A cirurgia de implante coclear envolve, basicamente, três fases: pré-cirurgia, cirurgia e o pós-cirurgia. 

A fase antes da cirurgia é uma das mais difíceis, porque é quando o paciente ou pais de crianças pequenas recebem o diagnóstico, após uma avaliação minuciosa. Os medos e dúvidas são muito frequentes nessa fase. 

É neste momento que o futuro usuário do IC, ou os pais de crianças necessitadas do IC, precisam de acompanhamento de um equipe multidisciplinar, com médicos, fonoaudiólogos, psicólogos, para fornecer o prognóstico, tirar dúvidas do procedimento na cirurgia e no pós-cirúrgico, informar as expectativas do resultado do IC, recomendações e exames a serem efetuados.

Cumprida bem a primeira fase, a cirurgia fica mais fácil, levando em torno de 2 horas, com a utilização de anestesia geral. 

Por meio de um corte atrás da orelha, são introduzidos e implantados a parte interna do IC, com riscos mínimos, pois é feita por cirurgiões especialistas em implante, que utilizam  equipamentos de alta tecnologia.

Após a cirurgia, o paciente deve se manter em repouso por cerca de 10 dias, tomando os cuidados necessários nesta fase, conforme orientado pela equipe médica. Os pontos são retirados com 2 semanas da cirurgia.

A ativação do implante deve ocorrer entre 30 e 40 dias após a cirurgia, período necessário para a cicatrização. Essa parte é feita em consultório por um fonoaudiólogo, que irá acoplar o processador da fala ao computador, através do qual serão feitas as programações necessárias para a obtenção dos resultados esperados e da perfeita adaptação do paciente ao dispositivo implantado.

O instante da ativação do implante coclear é um dos mais esperados no processo, tanto pelos profissionais como pelos pacientes ou familiares, envolvendo ansiedade e expectativas de todos.

Isso pode variar caso a caso, pois alguns pacientes perderam a audição já em uma fase adulta e voltam a ouvir sons conhecidos. Com isso, a adaptação se torna mais fácil.

Já nos pacientes pré-linguais (que nunca ouviram sons), caso dos bebês, crianças e mesmos adultos, a reação é diferente. O som pode ser algo estranho e até desconfortante, uma vez que o cérebro não é capaz de reconhecê-lo, exigindo um acompanhamento maior por profissionais e familiares para que o objetivo esperado do implante coclear seja obtido.

Quais os cuidados que devemos ter?

Como o implante coclear é um dispositivo eletrônico há alguns cuidados que o usuário deverá ter:

  • Por ser uma prótese que pode quebrar, o paciente deve evitar esportes que possam provocar risco de bater a cabeça;
  • Exames de ressonância magnética não são recomendados, nem a entrada na sala do exame, pois o IC é composto de metal. podendo ser atraído, ocasionando problemas graves. Se necessário, informar médico ou radiologista para a orientação adequada.
  • Cirurgia com utilização de bisturi elétrico monopolar é proibido, pois sua utilização pode queimar a parte interna do IC;
  • Deve ser desligado no pouso e decolagem de aviões, pois pode interferir nos equipamentos de controle;
  • Manter distância de microondas, monitores de computador e televisores, pois a radiação eletromagnética pode alterar qualidade do som e a transmissão de dados da parte externa para a interna;
  • O implante coclear pode disparar o sistema de detecção de metais de bancos e aeroportos. Portanto, para evitar aborrecimento, carregue documento sobre o porte do IC;
  • Desligar nas passagens de portas de lojas com sistema de alarme, pois pode não disparar o alarme, mas causa distorção no som e desconforto.  
  • Não há problema para o usuário do implante coclear em realizar exames de: ultrassonografia diagnóstica (ultrassonografia terapêutica é proibida), radiografias simples, tomografia computadorizada, utiliza luz ultravioleta de clínicas odontológicas.

Tags: